1838-1929 - De "Dinte" a "4001"

1838-1929 - De "Dinte" a "4001"

De "Dinte" a "4001".

As tintas da companhia utilizaram-se em diversos sectores e a linha de produtos o reflecte. Por exemplo, na lista de preços de 1892, necessitavam-se 17 páginas para presentar a variedade das tintas disponíveis, das que apenas distinguem-se diferenças. Só entre as tintas de escrever existia as seguintes versões: tinta ordinária, tinta Anthraces, tinta Aleppeo, tinta Reich, tinta imperador, tinta de arquivo e de chancelaria e a tinta de arquivo, ferrogálica, tinta salão, tinta perfumada para damas, tinta de escritório, tinta escolar negra Ia e IIa.

Para cópias e envios de negócios, no entanto, houve diferentes “Corpitinten”, tintas de cópia, junto com as tintas de autógrafos e hectográficos.

Em 1871, Günther Wagner comprou a companhia a Carl Hornemann. Ao registrar o pelicano como uma das marcas registradas pela primeira vez na Alemanha em 1879, demonstrou o importante que tinha sido para ele anunciar os produtos que fez. O pelicano utilizado foi adoptado do escudo familiar.

 

Outro passo importante foi dar às tintas nomes que eram fáceis de lembrar. Em 1898, os produtos mais importantes receberam os nomes de 2001, 3001, 4001 e mais tarde foram seguidos por as 5001 e 6001. Hoje em dia, a tinta de 4001 é a mais vendida.

Um extensa variedade de formas de garrafas e etiquetas colaborou, também ao reconhecimento das tintas feitas por Pelikan.

Lewis Edison Waterman patenteou a caneta-tinteiro em 1884 e o mercado começou a solicitar este produto. Uns anos mais tarde Günther Wagner começou a produzir as tintas para canetas.

A história continua com "1929-1950 - O mecanismo de enchimento por pistão".