1982-hoje - O renascimento da caneta de Tinta Permanente

1982-hoje - O renascimento da caneta de Tinta Permanente

O renascimento da caneta

Na década de 1980, a escritura com caneta-tinteiro experimentou um renascimento. Não necessariamente para o uso diário, mas sim a para cartas pessoais, assinaturas de documentos e como símbolo de status. Este tipo de mudança reflecte-se em modelos especiais. As canetas fizeram-se mais atractivas e elaboradas. Como resultado, um artigo de uso diário converte-se numa peça de colecção.

Em 1979 introduziu-se a “Signum”, uma caneta feita especialmente para adultos. Posteriormente, em 1982, depois do lançamento da "Souverän M 400", Pelikan logra reviver os seus êxitos anteriores. Por fora, a peça era idêntica à sua histórica antecessora. Só o mecanismo de interior mostrava ligeiras diferenças.

Tendo em conta o gosto do momento, cada certo tempo Pelikan oferece novas séries modernas e um sistema de recarga por cartuchos, além do mais da clássica Souverän a êmbolo.

Então, a “Signum”. Foi seguida pelo modelo de “Novos clássicos” em 1992. 1997 apresentou a “Celebry”. 2004, a “Epoch”. 2007, a “Ductus”.

Em 1993, com a introdução do modelo “Blue Ocean”, Pelikan começou a manufacturar modelos de edição limitada com um design extraordinário para os coleccionadores e amantes dos instrumentos de escritura. Estas peças foram premiadas muitas vezes. Ao princípio do século XXI, foram desenhadas séries dedicadas a certos temas, por exemplo “As Sete Maravilhas do Mundo” e “Grandes influências sobre a Civilização”.

Um pouco mais acessível em preço, mas para o mesmo grupo objectivo, a série dedicada às cidades iniciou-se com “Berlím” e “Estocolmo” em 2002. Ao igual que nas edições limitadas, estas também são produzidas por um tempo curto, mas não levam número de série. A edição especial mias recente é a denominada “Fenómenos da Natureza”.

 

Em 1996, com a "Level", Pelikan introduziu uma caneta-tinteiro caracterizada por uma capacidade de tinta três vezes superior. No entanto, a peça devia encher-se utilizando uma garrafa de tinta especial e de uma maneira muito incomum: desde a base, através de um botão de enchimento, como os isqueiros. Os consumidores não estavam dispostos a adaptar-se, pelo que Pelikan cessou a sua produção. Em 1997, toda a gama de canetas-tinteiro tradicionais foi revisada. A parte superior da tampa tem uma nova forma, o modelo 400 leva anéis decorativos e o modelo 600 ganhou em tamanho.

Em 2007, a gama de canetas-tinteiro clássica alcançou o cume com o seu modelo “Majesty”. O corpo estriado em prata de lei lembra o depósito de tinta listrada conhecido nos modelos 300-1000. Os anéis decorativos da tampa estão inspirados no friso de1906, que ainda decora as torres do edifício da histórica sede da Pelikan.

Na comemoração do 170 aniversários Pelikan em 2008, o modelo "Majesty", incluindo três diamantes na tampa lançou-se como uma edição limitada de 170 canetas. Esta edição esgotou-se imediatamente.

No ano 2010, Pelikan lançou a colecção "Edelstein". Graças a um ingrediente especial, estas tintas, produzidas na fábrica perto de Hannover, proporcionaram um conforto agradável à escritura e o seu bote de vidro de alta qualidade converte-se em uma decoração elegante em qualquer escritório.